RETORNAR ÀS NOTÍCIAS - Golpe à CGD. Salgado deixou o banco público “a arder” com dívida de 114 milhões


04-05-2021 12:05h Vários

 

As escutas telefónicas realizadas ao ex-banqueiro Ricardo Salgado apontam que este adiou ao máximo possível o pagamento de um empréstimo feito pela CGD à Espírito Santo International (ESI), empresa do Grupo Espírito Santo (GES), segundo o Correio da Manhã (CM).

As acções da Espírito Santo Finantial Group (ESFG) foram entregues à Caixa como garantia de pagamento de um crédito feito pela ESI.

Estão em causa conversas ocorridas entre 21 e 23 de Julho de 2014, em pleno colapso financeiro do GES e depois de Salgado já ter deixado o BES.

No final daquele mês, a ESI tinha de pagar a dívida à CGD. Contudo, Salgado tentou adiar essa data de pagamento, mantendo conversas com o então administrador da CGD, Nuno Fernandes Thomaz, e com os então funcionários do GES José Castella e Carlos Calvário.

O CM repara que Salgado pediu a Nuno Fernandes Thomaz para adiar o pagamento da dívida e que “pressionou” os dois funcionários do GES a “encontrarem uma solução que impedisse a Caixa de executar o penhor das acções da ESFG”.

Essa execução era sinal de que “o GES não conseguia pagar o empréstimo ao banco público” e deixava a Caixa “com uma participação indirecta no capital social do BES”, repara o CM.

Assim, a atitude de Salgado tinha como objectivo esconder do banco público “a difícil situação financeira do GES”, aponta o mesmo jornal.

A atestá-lo está uma conversa que manteve com José Castella, já falecido, em que lhe diz que a ESFG ia entrar em gestão controlada por não poder pagar as suas dívidas, mas pedindo-lhe para não dizer “nada” aos responsáveis da Caixa.

Note-se que poucos meses antes destas conversas, Salgado teria pedido ao Governo um empréstimo da CGD ao GES da ordem dos 2 mil milhões de euros, mas Passos Coelho recusou, como destaca o referido jornal.

“Luvas” de 7 milhões ao Embaixador da Venezuela

Entretanto, um dos inquéritos que tiveram origem no processo GES, aponta suspeitas a Salgado por alegados subornos ao Embaixador da Venezuela em Portugal, Lucas Rincón.

A notícia é da revista Sábado que fala em valores da ordem dos 7 milhões de euros e refere que se destinavam a garantir a angariação de negócios favoráveis ao GES na Venezuela. Esses pagamentos terão ocorrido entre 2009 e 2013.

Os pagamentos terão sido feitos através da Espírito Santo Enterprises, o chamado saco azul do GES.

ZAP ZAP //

 

01/05/2020