RETORNAR ÀS NOTÍCIAS - Há professores do Politécnico de Lisboa a trabalhar a tempo inteiro na CP


01-08-2018 19:13h Vários

 

Segundo o Público, que avança com a notícia nesta segunda-feira, numa auditoria divulgada há poucos dias, mas que analisava o que se passava na instituição de ensino superior em 2014, foram várias as situações insólitas identificadas pelos juízes – algumas delas ainda se manteve até hoje.

Face às situações encontradas, dirigentes da instituição foram instados pelo tribunal a pedir que os professores envolvidos devolvessem o dinheiro que lhes tinha sido pago a mais, sob pena de serem multado. Ouvidos pelos juízes, os docentes defenderam ter cumprido a lei – o que a auditoria refuta.

O jornal dá o exemplo de dois professores dos Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa que integram, simultaneamente, os quadros do estabelecimento de ensino e os da CP, exercendo um funções como economista e outro como técnico licenciado.

“Estamos perante a incompatibilidade absoluta de ocupar dois lugares públicos”, apontam os juízes, considerando a prática um situação anormal.

Existem ainda cinco outros professores com vínculos contratuais permanentes a entidades privadas – a Aeroportos de Portugal, a Portugal Telecom, o banco Santander Totta, a seguradora Allianz e o Montepio Geral -, dois dois quais ocupam cargos de chefia.

Perante as situações encontradas, o Conselho Geral do Politécnico de Lisboa, citado pelo matutino, diz já ter iniciado “uma nova ação de sensibilização sobre o tema da acumulação de funções” junto das escolas que dele fazem parte.

ZAP //

30/07/2018